fbpx

Xangô, Iemanjá e Maria Gadú: a capa de “Ojunifé”, da Majur

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

No terceiro episódio do Capa do Disco, a gente conta a história por trás da capa de #Ojunifé, primeiro disco da Majur. Lançado em maio deste ano, o álbum de estreia da artista soteropolitana foi um dos discos mais aguardados de 2021. Com 10 faixas, Ojunifé tem participações de Luedji Luna e Liniker e produção de Ubunto e Dadi Carvalho. Indo do afropop baiano ao R&B, as canções do disco são embebidas pela ancestralidade e espiritualidade da cantora e compositora de 26 anos.

Para ilustrar Ojunifé, Majur escolheu uma capa linda e imponente, assinada pelo diretor artístico Bruno Pimentel. Conversamos com Bruno e com a cantora sobre as referências a Iemanjá e Xangô na capa, a importância da assinatura da Majur na arte e a ajudinha que eles receberam da Maria Gadú no processo.

Assista abaixo:

Créditos
Criação, entrevistas, roteiro e narração: Beatriz Moura
Edição: Beatriz Zupo
Direção de arte: Beatriz Zupo e Oscar Nunes